TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

terça-feira, 3 de outubro de 2017

QUANTO MAIS LUZ...

"- Estamos transitoriamente maus...

- Correto, Paulino Garcia, mas não há nenhum espirito 
da Criação que consiga cristalizar-se no mal para 
sempre. Momento chegará em que, por mais tenhamos 
nos alimentado no mal, haveremos de regurgitá-lo, 
porquanto somente a prática do bem não excede 
em suas medidas. Quanto mais luz, mais luz!" 
(Dr. Inácio Ferreira) 

(do livro "Viver é para sempre", 
psicografado por Carlos Baccelli)

domingo, 24 de setembro de 2017

PREPARANDO-SE PARA MORRER!

video
Infelizmente é isso! 
O que podemos esperar de um governo golpista e genocida 
como a quadrilha que se abancou no poder? 

"Massacres, sofrimentos e assassinatos, levam os indígenas 
Guarani Kaiowá do Mato Grosso do Sul a tomarem a última 
decisão drástica: 
Após sofrerem duras ataques,  indígenas guaranis kaiowá 
se preparam espiritualmente para resistir em permanecer 
seus TEKOHÁ até a morte. 
A decisão foi tomada em coletivo na terra Indígena 
Ñhanderú Marangatu, diante ao túmulo do indígena guarani 
kaiowá Semião Vilhalva, assassinado pelos produtores rurais 
no último dia 26/08 no município de Antônio João / MS."

   ***   ***   *** 

Abraço plangente do tesco.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

ESTUDAR OU NÃO?

No livro  "Mayombe", do escritor angolano Pepetela, 
encontramos, no capítulo 2, "A base", esta prédica do 
personagem Comandante Sem Medo ao seu subordinado,
guerrilheiro "Lutamos": 


"Lutamos pensou que encontrava apoio no Comandante. 
Sentiu coragem para proferir: 
— É por isso que não estou de acordo com o Comissário, 
que nos obriga a ir à escola. 
— Tu, Lutamos, és um burro! – disse Sem Medo. – Quem 
não quer estudar é um burro e, por isso, o Comissário tem 
razão. 
Queres continuar a ser um tapado, enganado por todos... 
As pessoas devem estudar, pois é a única maneira de 
poderem pensar sobre tudo com a sua cabeça e não com 
a cabeça dos outros. O homem tem de saber muito, sempre 
mais e mais, para poder conquistar a sua liberdade, para 
saber julgar. Se não percebes as palavras que eu 
pronuncio, como podes saber se estou a falar bem ou não? 
Terás de perguntar a outro. 
Dependes sempre de outro, não és livre. Por isso toda a 
gente deve estudar, o objetivo principal duma verdadeira 
Revolução é fazer toda a gente estudar." 

   ***   ***   ***   
Estudemos, pois!
Nunca desperdicemos uma oportunidade de aprender!

Abraço do tesco. 

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

DO MOMENTO ATUAL

"Em um momento em que a maldade
se exerce 
impunemente,
ser apenas inútil merece louvores." 


MONTAIGNE 
["Os Ensaios", livro 3, capítulo 9: Da vaidade]

domingo, 10 de setembro de 2017

MONTAIGNE SABE O QUE FALA!

"A obstinação e a convicção exagerada
são 
a prova mais evidente da estupidez. 


Haverá algo mais afirmativo, resoluto,
desdenhoso, 
contemplativo, grave
e sério do que um burro?" 


(Montaigne, in "Os Ensaios", livro 3, 

capitulo 8: Da arte de conversar)

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

UMA CONSPIRAÇÃO!

No livro "Historia do Brasil para quem tem pressa", do 
professor e Historiador Marco Costa, encontramos uma 
análise sucinta, porém bem interessante, do tempestuoso 
período da História do Brasil que precede o golpe militar 
de 1964. 

UMA CONSPIRAÇÃO 
"João Goulart estava atravessado na garganta da elite 
brasileira como uma espinha." 

"Visto agora, passados 60 anos, é possível inferir que, da 
forma que se deu, a renúncia de Jânio foi uma conspiração. 
A viagem de uma comitiva brasileira para países comunistas, 
como China e União Soviética, encabeçada por João Goulart, 
foi a gota-d’água para os opositores no Brasil.

Na natureza, nada acontece de acordo com a vontade dos 
homens. Já na história, tudo acontece pela vontade deles. 
Somos nós que fazemos a história. Desse modo, a renúncia 
de Jânio Quadros aconteceu não “enquanto” Jango estava em 
viagem aos países comunistas, mas “porque” Jango estava 
em viagem aos países comunistas. 

Ao mesmo tempo que a comitiva seguia seu périplo, no Brasil, 
Jânio Quadros era colocado contra a parede. Então, em 25 de 
agosto de 1961, Jânio renuncia.
O primeiro passo estava 
dado. 

Para os militares, era importante que a renúncia de Jânio 
ocorresse no período da viagem de João Goulart. Na ausência 
do vice-presidente, que constitucionalmente deveria assumir 
o posto, quem assumiu foi o presidente da Câmara dos 
Deputados, Ranieri Mazzilli.

O segundo passo também estava dado em direção ao golpe. 
Não tenha dúvidas, embora não haja documentos, de que tudo 
estava milimetricamente articulado. 

Os militares e as elites econômicas estavam esperando 
apenas a oportunidade, e ela surgiu no momento em que se 
começou a articular a viagem de João Goulart ao Leste 
Europeu e à China.

Assim que o vice-presidente colocou os pés fora do país, a 
conspiração deslanchou. Contudo, o golpe militar só não se 
consumou porque surgiu entre os militares uma dissidência. 

No Rio Grande do Sul, surge uma resistência civil e militar ao 
golpe — João Goulart era gaúcho —, a chamada Campanha 
da Legalidade, encabeçada pelo então governador Leonel 
Brizola. Diante do impasse, decidiu-se que João Goulart só 
poderia assumir o poder se o regime de governo fosse alterado 
de presidencialismo para parlamentarismo. Em 2 de setembro 
de 1961, foi implantado o regime parlamentarista no Brasil, 
tendo como presidente da República João Goulart e como 
primeiro-ministro Tancredo Neves. Só assim os militares 
consentiram o retorno de Jango. 

Em janeiro de 1963, no entanto, por meio de um plebiscito, 
João Goulart consegue fazer passar a volta do modelo 
presidencialista, sendo extinta, portanto, a figura do primeiro-
ministro. Com plenos poderes, João Goulart parte para o 
ataque. Do outro lado, os militares, derrotados, conspiravam." 

   *   *   *   
Infelizmente, nosso atual presidente golpista (e "ex vice-
presidente") esteve na China recentemente, e não aconteceu
nada! Ele está do "lado certo". 


Esse "rapaz" continua atravessado na garganta do povo
brasileiro, mas não da "elite". 


Abraço do tesco. 

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

OS OLHOS CULPADOS

Fuçando no blog de Bráulio Tavares, Mundo Fantasmo,
encontro esta pérola que é a lenda dos "Olhos culpados", 

que, coitados, são quem menos têm culpa neste cartório.

Além de nos narrar a lenda, Bráulio faz uma análise muito 

criteriosa dela, o que bem vale os poucos minutos que 
passemos imersos neste universo de lenda/análise. 

Por isso atrevo-me a transcrever esta sua poatagem: 

OS OLHOS CULPADOS

"As narrativas curtas que chamamos variadamente de 
fábula, apólogo, lenda, caso, etc., têm uma economia 
narrativa própria que não é a mesma do conto literário. 

É como se fosse uma história mais longa que foi perdendo 
adornos e adereços ao longo do caminho através do 
tempo, e ficou reduzida somente ao essencial. 

A narrativa abaixo está na Antologia da Literatura 
Fantástica (org. Jorge Luís Borges, Adolfo Bioy Casares e 
Silvina Ocampo, Cosac Naify, 2013, trad. Josely Vianna 
Baptista). Ela é atribuída a Ahmed Ech Chiruani, autor 
talvez inventado, porque o Google não parece saber sobre 
ele mais do que eu sei. 

OS OLHOS CULPADOS
Ahmed Ech Chiruani

Contam que um homem comprou uma moça por quatro mil 
denários. Um dia olhou para ela e começou a chorar. 
A moça lhe perguntou por que estava chorando; ele 
respondeu:  

– Tens olhos tão belos que me esqueci de adorar a Deus. 

Quando ficou sozinha, a moça arrancou os próprios olhos. 
Ao vê-la nesse estado, o homem ficou aflito e disse: 

– Por que te maltrataste assim? Diminuíste teu valor. 

Ela respondeu: 

– Não quero que haja nada em mim que te afaste de adorar 
a Deus. 

De noite, o homem ouviu em sonho uma voz que dizia: 
“A moça diminuiu seu valor para ti, mas o aumentou para 
nós e a tiramos de ti.”  Ao acordar, encontrou quatro mil 
denários sob o travesseiro. A moça estava morta. 
   *   *   *   

Primeiro que tudo, olha que maneira mais eficiente de 
começar uma história: 

1.    Contam que um homem comprou uma moça por quatro 
mil denários. 

“Contam”, abrindo uma narrativa, equivale, estruturalmente 
falando, a “era uma vez”. Joga os 100% da história para o 
território do mítico, do oral, do lendário, do ouvi-dizer. 

Algo parecido ocorre com o uso da moeda “denário”: era 
uma moeda romana (o Google se redime informando-me 
que essa moeda valia um dia de salário de um trabalhador), 
portanto historicamente datada. Mas isso é a moeda, não a 
palavra: a palavra, como símbolo de valor monetário, deu o 
francês “denier”, o árabe “dinar” e o português “dinheiro”. 
Estamos, portanto, em pleno território do arquétipo. 

E essa beleza de construção: “comprou uma moça”. O 
autor não diz que era uma escrava. Não precisa. Comprar 
escravos nesse mundo é como comprar um cavalo ou um 
passarinho. O homem comprou uma moça – e não era uma 
moça qualquer, porque ele pagou o equivalente a quatro 
mil dias de trabalho de um trabalhador comum. 

Digamos que, com nosso salário mínimo em torno de 
900,00 reais, um dia de trabalho valha em torno de 30 reais: 
a moça custou 120 mil reais. Não era uma moça qualquer. 
Se aparecesse numa revista não seria em Baratas, mas em 
Caras. 

2.    Um dia olhou para ela e começou a chorar. 

É típico dessas narrativas darem saltos bruscos de frase 
em frase, sem muitas explicações. Quem era o homem? 
Tinha esposa(s), filhos? Que papel a moça foi 
desempenhar junto a ele: empregada doméstica, serva 
sexual, o quê? Não sabemos. Nesta segunda frase o autor 
pula direto para o fato inusitado que desencadeia o 
desfecho. A frase 1 é introdução, da 2 em diante tudo 
é resultado. 

3. A moça lhe perguntou por que estava chorando. 

Existem trinta mil livros cuja história começa com alguém 
chorando e alguém perguntando por quê. É sempre uma 
boa maneira de começar, se não um livro inteiro, pelo 
menos um capítulo. “Certa tarde, ao descer a escadaria 
que levava ao salão, Fulana ouviu ruídos abafados. 
Aproximando-se, viu que Sicrano estava sentado numa 
saleta lateral, com o rosto entre as mãos, os ombros 
sacudidos por soluços...”  Sempre funciona. 

4. Ele respondeu: – Tens olhos tão belos que me esqueci 
de adorar a Deus. 

O amor, seja físico, seja platônico, nos distrai das paixões 
abstratas, entre as quais pensar em Deus não é uma de se 
jogar fora. Que o diga Nelson Gonçalves, neste bolero (de 
David Nasser e Herivelto Martins) que parece adaptado do 
conto de Ahmed Ech Chiruani: 

“Eu amanheço pensando em ti 
Eu anoiteço pensando em ti 
Eu não te esqueço, é dia e noite pensando em ti... 
Eu vejo a vida pela luz dos olhos teus... 
Me deixa ao menos, por favor, pensar em Deus.”
(Gravação original: "Pensando em ti" 

Parar  de pensar em Deus parece uma tragédia, 
principalmente parar de pensar em Deus por causa de uma 
curvilínea comprada em moeda sonante. Isto nos prepara 
(mas não totalmente) para o próximo ziguezague da 
narrativa. 

5. Quando ficou sozinha, a moça arrancou os próprios 
olhos. 

Nesse passado milenar e machista, a mulher sente que está 
trazendo turbulência espiritual para a vida do seu amo e 
senhor, e decide punir a si própria. E deixa para fazê-lo 
quando fica sozinha, para que ninguém tente impedi-la. 
Em contos assim não há meio termo. As pessoas só tomam 
decisões radicais. 

6. Ao vê-la nesse estado, o homem ficou aflito e disse: 

– Por que te maltrataste assim? Diminuíste teu valor. 

Esta fala é de um ambiguidade fascinante. Ele poderia ter 
dito: “-- Nunca mais verás as coisas belas da vida... / -- Não 
devias ter te maltratado tanto... / -- Perdi os olhos que tanto 
adorava / ...” – enfim, poderia ter tido mil reações de horror 
ou de dó. Mas não: “Diminuíste o teu valor (de mercado). 
Ninguém a quem eu queira te vender (porque vou te 
vender, já que não tens mais aquilo que me encantava) vai 
me pagar o preço que investi em ti.” 

Ressalva: Existe a possibilidade, caso de fato seja um 
conto oriental, de algo ter se modificado na tradução. 
A frase no original podia ser algo como “perdeste algo 
valioso”, ou “diminuíste a beleza que te valorizava”... 
Muitas vezes a tradução, mesmo tentando ser fiel, impõe 
um sentido que o original não tinha. 

7. Ela respondeu: 

– Não quero que haja nada em mim que te afaste de adorar 
a Deus. 

É um desses diálogos de que o cinema está cheio, o das 
mulheres altruístas que se sacrificam para que o homem 
amado possa, sei lá, casar com uma princesa sem que ela, 
uma namorada plebéia, o atrapalhe, ou separam-se do 
amado que vai se candidatar a um cargo público e não 
pode mostrar o mundo uma amante negra... Todos os mil 
sacrifícios feitos em nome do amor. Mesmo que se trate 
(no presente caso) do amor impossível de uma mulher 
pelo homem que a comprou. 

8. De noite, o homem ouviu em sonho uma voz que dizia: 
“A moça diminuiu seu valor para ti, mas o aumentou para 
nós e a tiramos de ti.” 

O sonho, nesses contos orientais, é quase sinônimo da voz 
de Deus (em contos ocidentais modernos, é a voz do 
Inconsciente Freudiano).  Portanto, é Deus, o Deus em 
quem ele deixara de pensar, que se comove com o 
sacrifício da moça. (Veja-se também o plural divino, que 
pode ser visto como o plural majestático dos reis, ou como 
uma insinuação de um Deus múltiplo.) 

Deus percebe que ela sacrificou os próprios olhos não 
somente pelo homem, para que pudesse pensar em Deus, 
mas também por Deus, para que pudesse ser adorado em 
paz. Deus agradece à moça o gesto elegante de ter se 
retirado da disputa e deixado caminho livre para Ele no 
coração do homem. 

9. Ao acordar, encontrou quatro mil denários sob 
o travesseiro. A moça estava morta. 

Um desfecho perfeito, em duas frases tão indissolúveis 
uma da outra quanto as duas faces da Lua. Deus leva a 
moça e devolve o dinheiro que o homem, por um instante, 
julgou ter perdido. E, ironicamente, a história termina como 
começou: a moça sendo novamente comprada por quatro 
mil denários. 

A leitura do ponto de vista feminino nos mostra a tragédia 
de uma moça vendida como escrava, que acaba assediada 
pelo patrão por sua beleza, assusta-se, mutila-se para 
escapar-lhe, e acaba morrendo. A moça é quem menos 
ganha com tudo que aconteceu. 

O homem compra uma escrava, deixa-se levar por uma 
paixão carnal, perde a escrava, recupera o dinheiro. 
E ganhou o que com tudo isto? Ganhou a experiência; 
ganhou um fato extraordinário em sua vida; ganhou (talvez 
o conto seja autobiográfico, e o homem da história seja 
Ahmed Ech Chiruani) uma história para contar." 

   ***   ***   ***   

Você leu e gostou, não?
Sempre é bom divulgar o que nos causa boa impressão!

Abraço do tesco.